Cálculo do preço de venda do produto ou serviço: faça você mesmo

Toda empresa que busca se manter competitiva em seu mercado de atuação e ter um nível de profissionalismo adequado para garantir a sua sobrevivência precisa saber fazer o cálculo do preço de venda.

Tanto para produtos ou serviços, a base do raciocínio é a mesma e aplicando a metodologia de maneira correta, você terá condições suficientes para que o resultado apurado ao fim de cada mês seja sempre o lucro. Quer saber como? Acompanhe o post!

Entendendo o cálculo

O preço de venda é a forma de calcular o valor de cada item oferecido aos clientes de maneira que a empresa obtenha em retorno a possibilidade de se sustentar financeiramente e também gerar lucros. Afinal, todo negócio visa o lucro.

Para que esta equação seja positiva para a organização, a fórmula básica a ser atendida implica que o preço de venda seja igual à soma de todos os custos, despesas e lucro. Veja o exemplo:

(+) Custos >> R$ 100,00 (50%)

(+) Despesas >> R$ 90,00 (45%)

(+) Lucro >> R$ 10,00 (5%)

(=) Preço de venda >> R$ 200,00 (100%)

Olhando as contas acima, percebemos que se o produto for comercializado abaixo de R$ 95,00, a venda está implicando em prejuízo. Este raciocínio deve ser repetido para os demais produtos.

Avaliando os custos

Provavelmente, você já ouviu bastante o termo “custo de produção”. Ele é uma ótima forma de assimilar o conceito de custos.

Dentro de uma empresa existem funcionários que trabalham diretamente na produção. São aqueles ligados à sua atividade fim. Além deles, matéria-prima e equipamentos utilizados são também custos a serem considerados.

Na hora de levantar seus custos, liste tudo que está diretamente envolvido com o seu produto ou serviço. Veja onde começa e termina a produção, e considere tudo que estiver envolvido neste meio.

Calculando despesas

É preciso listar as despesas da organização. Neste ponto, você terá que anotar todas as outras contas que paga para manter o negócio funcionando.

Observe itens como serviço e produtos de limpeza, contas de energia, segurança, marketing, manutenção de computadores, utilização de serviços de office boy e outros similares.

A ideia aqui é listar tudo que você ainda precisa pagar que não esteja diretamente ligado à geração dos seus produtos e serviços (que já foram considerados na parte dos custos).

Obtendo o lucro

Se os seus produtos ou serviços oferecidos conseguem somente pagar todas as suas despesas e custos, você terá condições de manter quitadas suas contas com fornecedores, empregados e até o seu pró-labore. Tudo isto deve estar incluído nos itens anteriores.

Contudo, se não somar o seu lucro, sua empresa sempre estará “empatando” dinheiro. Por isso, é necessário estipular um lucro. Considere então um valor percentual que seja superior ao que você ganharia se deixasse o dinheiro parado em uma aplicação financeira, mas que não faça o seu preço de venda afastar os seus clientes de modo a perdê-los para a concorrência.

Parcelamento de compras

Um último ponto que vale a pena ser comentado é a questão das suas compras. Como normalmente tentamos negociar prazos com os fornecedores, sempre haverá juros embutidos no pagamento.

Nesta hora, para conseguir uma negociação mais favorável, confira quais os juros cobrados e se há uma forma mais interessante para que você efetue seu pagamento.

Lembre que este tipo de encargo financeiro pode aumentar suas despesas para manter o negócio, e pode chegar a alterar o preço de venda que você pratica. Uma boa sugestão é utilizar a tabela Price para fazer melhor estes cálculos.

Agora que você já tem uma noção mais concreta de como fazer o cálculo do preço de venda dos seus produtos ou serviços, mantenha-se informado sobre outras dicas e metodologias aplicadas à gestão de negócios seguindo-nos em nossa página do Facebook e LinkdeIn.